Feeds:
Posts
Comentários

Archive for the ‘Esportes’ Category

A temporada 2012 de Fórmula 1 está surpreendente. Os vencedores das 5 primeiras corridas são de 5 equipes diferentes. Isto só aconteceu na Fórmula 1 em uma outra ocasião: 1983. Por isso, vale fazer algumas comparações.

Após as primeiras 5 provas de 1983, os 5 vencedores estavam nas 5 primeiras posições do campeonato.

1983: *(vencedores marcados com asterisco e em negrito)

1) Piquet 21 *
2) Prost 19 *
3) Tambay 17 *
4) Rosberg 14 *
5) Watson 11 *
6) Lauda 10
7) Arnoux 8
8) Laffite 7
9) Cheever 4
10) Surer 4
11) Sullivan 2
12) Baldi 1
13) Cecotto 1
14) Serra
15) Boesel
16) Alboreto
17) Warwick
18) Jarier
19) Patrese

Em 2012, os vencedores de grandes prêmios estão em 1º, 2º, 6º, 7º e 9º na tabela, mostrando que a regularidade pode fazer muita diferença.

2012:

1) Vettel 61 *
2) Alonso 61 *
3) Hamilton 53
4) Raikkönen 49
5) Webber 48
6) Button 45 *
7) Rosberg 41 *
8) Grosjean 35
9) Maldonado 29 *
10) Pérez 22
11) Kobayashi 19
12) Di Resta 15
13) B. Senna 14
14) Vérgne 4
15) Hülkenberg 3
16) Ricciardo 2
17) Massa 2
18) Schumacher 2

Ao compilar esses dados, percebi que talvez eu estivesse cometendo alguma injustiça. Afinal, o sistema de pontuação da F1 mudou ao longo dos anos. Algumas mudanças foram feitas com o intuito de bonificar pilotos regulares ou de prestigiar quem chegasse mais à frente (dependendo de cada época). Então, resolvi aplicar a pontuação de 1983 ao campeonato atual e vice-versa para checar não só a mudança de posições que aconteceria mas, principalmente, se em 1983 permaneceria o domínio dos vencedores na parte superior da tabela ou se o campeonato de 2012 passaria a ter os vencedores na parte de cima.

A pontuação em 1983 era distribuída da seguinte forma, do primeiro ao sexto colocado: 9, 6, 4, 3, 2, 1. Aplicando esta pontuação em 2012 e a pontuação atual para 1983, teríamos:

1983 (pontuação 25, 18, 15, 12, 10, 8, 6, 4, 2, 1):

1) Prost 64 * (+1)
2) Piquet 61 * (-1)
3) Tambay 59 * 
4) Rosberg 47 *
5) Laffite 38 (+3)
6) Arnoux 37 (+1)
7) Watson 35 * (-2)
8) Lauda 33 (-2)
9) Surer 27 (+1)
10) Cheever 15 (-1)
11) Sullivan 14
12) Serra 12 (+2)
13) Baldi 9 (-1)
14) Cecotto 8 (-1)
15) Boesel 8
16) Alboreto 6
17) Warwick 4
18) Jarier 2
19) Patrese 1

2012 (pontuação 9, 6, 4, 3, 2, 1):

1) Vettel 18 *
2) Alonso 17 *
3) Button 15 * (+3)
4) Raikkönen 12
5) Hamilton 12 (-2)
6) Webber 12 (-1)
7) Rosberg 11 *
8) Maldonado 9 * (+1)
9) Grosjean 8 (-1)
10) Pérez 6
11) Kobayashi 3
12) Di Resta 1
13) B. Senna 1
14) Vérgne
15) Hülkenberg
16) Ricciardo
17) Massa
18) Schumacher

Dados compilados, agora algumas de minhas observações:

– Realmente, o atual sistema de pontuação privilegia a regularidade. Com a pontuação antiga, algumas inversões na ponta da tabela coincidiriam com a melhor posição conquistada por cada um até então: Button venceu (seria 3º), a seguir Raikkönen foi segundo (continuaria em 4º), Hamilton conquistou três terceiros (ficaria em 5º) e  Webber teve como melhor posição seus quartos lugares (viria a seguir, em 6º);

– Nico Rosberg (uma vitória, um 5º lugar e um sétimo) está tipo o John Watson de 1983 (uma vitória e um 5º lugar), a diferença é que em 1983 não havia pilotos mantendo a regularidade como hoje há Raikönnen, Hamilton e Webber;

– Comparando Alonso X Piquet e Massa X Patrese (e consequentemente Ferrari X Brabham): Após 5 corridas em 1983, com o sistema atual de pontuação, Piquet estaria em 2º com 61 pontos. Exatamente como Alonso está agora. Até o fim do ano, Piquet só precisou de mais 2 vitórias para sagrar-se campeão mundial. Sendo que Patrese, companheiro de Brabham, abandonou 8 das 9 primeiras corridas e terminou o campeonato em 9º após vencer a última prova.

– No geral, o sistema de pontuação de 1983 privilegia a vitória (Button, Maldonado e Watson que o digam), enquanto o sistema atual privilegia mesmo a regularidade: Prost, com 1º, 2º, 3º e 7º lugares conquistados, passaria Piquet com 1º, 2º e 2º lugares.

– Essa simulação com os sistemas de pontuação trocados mostrou que para 2012 não aconteceria tanta variação, mas em 1983 vocês viram que loucura? Quase ninguém se manteria na mesma posição!

Agora, deixo aberto para cada um fazer suas próprias observações!

Read Full Post »

César Cielo com o maiô tecnológico em Pequim

Depois de 25 quebras de recordes mundiais nas Olimpíadas de Pequim, os maiôs super tecnológicos, que diminuíam o atrito entre o atleta e a água, foram proibidos. Agora, todos os nadadores conquistam marcas bem inferiores àquelas.

O novo objetivo dos postulantes a recordes não é bater o tempo que eles conquistaram com os supermaiôs, e sim as melhores marcas que antigos atletas fizeram com suas sungas, digamos, arcaicas, ou maiôs sem a tecnologia que diminui o atrito. No troféu Maria Lenk, que está acontecendo no Rio de Janeiro, César Cielo conquistou o ouro na prova dos 50m livre ao fazer 21s80. O recorde mundial com supermaiô é dele mesmo: 20s91, marca conquistada em dezembro, na última prova antes da proibição dos polêmicos maiôs. A marca a ser batida, no entanto, foi conquistada em junho de 2000 por Alexander Popov: 21s64.

Porém, os novos atletas estão quase alcançando o tempo do russo. Sem sunga – ops! mas com uma espécie de bermuda colada, Cielo afirma: “mesmo não estando tão preparado, estou nadando perto dos melhores”. Mas é um francês, Frederick Bousquet, quem esteve mais perto de bater Popov: ele fez 21s71, a melhor marca dos 50m livre desde a proibição dos supermaiôs.

Caso sirva de consolo, o tempo de Cielo no Troféu Maria Lenk ao menos foi 1 décimo melhor que o recorde mundial anterior ao de Popov. O estadunidense Tom Jager fez 21s81 em março de 1990, e seu recorde perdurou até junho de 2000, quando o russo pulverizou seu tempo.

Em 2000, Alexander Popov bateu recorde de 1990 - seu tempo foi quebrado só em 2008

http://globoesporte.globo.com/Esportes/Noticias/Esportes_Aquaticos/0,,MUL1588010-16315,00.html

Read Full Post »

Thiago Ribeiro comemora gol no primeiro jogo das oitavas da Libertadores 2010, contra o Nacional-URU

Thiago Ribeiro comemora gol na Libertadores 2010

Bom, pra quem acha estranhos os critérios da IFFHS (Federação Internacional de História e Estatísticas do Futebol), agora veio mais uma: Cruzeiro como 4º melhor time do mundo.

Bom, isso não é em todos os tempos: o ranking considera jogos entre 1º de maio de 2009 e 30 de abril de 2010, ou seja, considera um ano inteiro.

Os critérios: Liga dos Campeões vale o mesmo que Libertadores, e Liga Europa (copa UEFA) vale o mesmo que a Sul-Americana. Veja:

CRITÉRIOS DA IFFHS (vitória, empate e derrota):

UEFA Liga dos Campeões: 14 – 7 – 0

UEFA Liga Europa: 12 – 6 – 0

Copa Libertadores: 14 – 7 – 0

Copa Sul-Americana: 12 – 6 – 0

CAF Liga dos Campeões: 9 – 4.5 – 0

Copa da CAF: 7 – 3.5 – 0

AFC Liga dos Campeões: 9 – 4.5 – 0

Copa da AFC: 7- 3.5 – 0

CONCACAF Liga dos Campeões: 9 – 4.5 – 0

OFC Liga dos Campeões: 5 – 2,5 – 0

Mundial da FIFA: 14 – 7 – 0

Também são contabilizados os campeonatos nacionais, sendo que o Brasileirão está no patamar mais alto de campeonatos nacionais pelo mundo. A Copa do Brasil, a partir das oitavas-de-final, também. Para estes campeonatos, são computados 4 pontos por vitória e 2 por empate.

Em todos os casos, não parece haver pontuação extra para o título.

Justo? Não sei. Mas vamos avaliar a situação dos últimos 365 dias segundo esses critérios:

O Cruzeiro foi muito bem ultimamente, chegando à final da Libertadores e se recuperando bastante no Brasileiro. Quando consideraram os campeonatos sul-americanos no mesmo patamar dos europeus, o Cruzeiro ficou atrás só de Barcelona, Estudiantes e Inter de Milão.

O que me chamou muito a atenção foi a discrepância para os outros times brasileiros, e nisso talvez não haja muito o quê discutir: fora o Cruzeiro, talvez só o São Paulo tenha chegado tão longe nas duas competições, além, é claro, do Corinthians e do Internacional, campeão e vice da Copa do Brasil (o Inter ainda foi vice do Brasileiro). Apesar disso, a distância do Cruzeiro (4º) para o segundo melhor brasileiro, o Corinthians (25º), é de 62 pontos, muito semelhante á diferença entre Cruzeiro (4º) e o líder Barcelona, que é de 59 pontos.

Ranking nivelado por baixo, veja:

1. Barcelona – 322 pontos

2. Estudiantes – 293 pontos

3. Inter de Milão – 273 pontos

4. Cruzeiro – 263 pontos

5. Werder Bremen – 262 pontos

6. Bayern de Munique – 255 pontos

7. Roma – 252 pontos

8. Chelsea – 251 pontos

9. Fulham – 240 pontos

10. Manchester United – 237 pontos

25. Corinthians – 201 pontos

29. Inter-RS – 197 pontos

37. Flamengo – 179 pontos

38. Fluminense – 178 pontos

57. São Paulo – 160 pontos

E você, o que acha dos rankings da IFFHS?

http://br.esportes.yahoo.com/colunas/cruzeiro-o-quarto-melhor-time-do-mundo-para-iffhs-esportes-426.html

Read Full Post »

Eba! Quer dizer que, dois anos depois de sediarmos a Copa do Mundo, teremos as Olimpíadas? Bacana!

Bom, toda a sorte do mundo para esses dois grandes eventos! Agora, é batalhar, fazer a minha parte pra trabalhar, se possível, em ambos!

Para a Copa do Mundo de 2014, é certo que Belo Horizonte receberá grandes jogos, quem sabe até uma abertura. Não temos obras adiantadas, mas como a nova sede do governo estadual foi construída rapidinho (começou em dezembro de 2007 e já está praticamente pronta, com inauguração prevista pra janeiro de 2010, segundo o site da Cidade), não acho que haverá problemas com a infraestrutura para a Copa.

Tomara que nessa época eu esteja empregado. As previsões são de que haverá muitas contratações, inclusive para mandar informações para veículos de outros estados e países!

Dois anos depois, o foco será o Rio de Janeiro. Não sei onde eu estarei trabalhando nem morando em 2016, mas a verdade é que haverá muitos esportes para se cobrir. É hora de me especializar.

Até lá, não só os jornalistas, mas também os atletas deverão se aprimorar e, por que não, aprender coisas novas! Me lembro do Pan de 2007, em que o Brasil formou equipes de última hora para competir em esportes não tradicionais por aqui. Nas Olimpíadas haverá muitas modalidades além. O país-sede tem vagas garantidas em todas as modalidades.

Com certeza, esta é uma boa oportunidade de promover o esporte e a inclusão social, buscando, desde já, novos atletas e investidores. Afinal, não adianta tentar tirar uma pessoa da criminalidade sem que ela tenha a chance real de melhorar sua vida através do esporte.

“Carioquêix”

É nóix nax Olimpíadax, brô!  Taí, será que os estrangeiros também têm aversão a esse sotaque? Fica a dúvida.

Mas tomara que não tenham. Acho mais fácil eles se acostumarem do que os cariocas perderem o sotaque… infelizmente.

Cobertura do anúncio da sede

Enquanto isso, olha só a manchete estampada pelo site do jornal espanhol Marca! Eles mesmos brincaram com o logo da mãozinha madrilenha!

“Adeus ao sonho olímpico” - logo original acima, à direita

“Adeus ao sonho olímpico” - logo original acima, à direita

Agora, imagine-se fazendo a cobertura do anúncio da sede olímpica em tempo real. Expectativa. Tensão. Os vídeos de Chicago e Tóquio, já eliminados, são exibidos. Depois, Rio e Madri. Agora é a hora, o presidente do COI – Comitê Olímpico Internacional – é chamado ao palco. Agora vai! Não, espera mais um pouco, vem o hino olímpico! A solenidade, expectativa, tensão… E o anúncio agora vem:

É O RIOOO, AÊÊÊ!!!

Tá, mas é pra você se imaginar fazendo a cobertura em tempo real, não escreva assim!!! Por que não? Ah, porque talvez seu chefe não queira que você se expresse assim… Esse é um bom motivo, vamos concordar.

Mas, de todo modo, é inevitável um errinho! Acha que não?

Escrevendo em tempo real, mas movido pelo entusiasmo! - globo.com

Escrevendo em tempo real, mas movido pelo entusiasmo! - globo.com

E no caso dos espanhóis? O nervosismo também os atingiu! Mas não pela vontade de festejar…

Na rivalidade, talvez eles queiram mesmo que o Rio só sedie em 2106...!

Na rivalidade, talvez eles queiram mesmo que o Rio só sedie em 2106...!

Boa sorte, então, a todos os brasileiros! Parabéns pela persistência! Assim, continuaremos perseguidos pelo slogan-já-quase-dito-popular “sou brasileiro e não desisto nunca”…! Mas esse é o espírito!!!

Read Full Post »

Quando tudo vai mal, é melhor ficar quieto e deixar a fase passar. Em dias de azar, qualquer tentativa de acerto, por mais calculada que seja, vai acabar dando errado. Ontem, o lanterna Fluminense levou sua maior goleada neste campeonato Brasileiro: perdeu de 5 a 1 para o Grêmio. Se os gols contra fossem marcados a favor, ficaria 3 a 3. Mas os jogadores do tricolor carioca não conseguiram fazer direito nem os gols contra: o árbitro da partida deu um deles para Souza, jogador do Grêmio que, antes da cabeçada de Adeílson, havia cruzado a bola na área.

Nesses dias de azar, não tem jeito: o que tiver de dar errado, assim será. Eu e meu irmão, nesses dias, temos uma incrível atração por quinas. Em casa, fazendo o repetitivo e conhecidíssimo percurso sala-cozinha, as pontas de mesas, bancos, armários e até de um inofensivo suporte para panos de prato se transformam em perigosas armas, todas apontadas para nossos joelhos, cotovelos e, claro: para o dedo mindinho do pé.

Além de sofrer danos físicos, você também deve se precaver contra danos morais. Ou seja, tente não sair de casa à noite, pois pode passar vergonha. Tudo bem que uma saidinha com os amigos sempre é uma boa ideia para esquecer dos problemas: comer pizza, jogar conversa fora, beber um pouco, tudo faz parte. Mas, no final…, cadê a grana? Ainda bem que amigo é pra essas – e tantas outras – coisas!

Se preferir não sair à noite…, bem, prefira não sair pela manhã também. Sabe aquelas pessoas que falam muito e não percebem caso você esteja com pressa, perdendo um ônibus ou simplesmente doido para matá-la? Vão aparecer pelo menos umas dez, inclusive aquele inimigo que nunca mais te cumprimentou e que, agora, vai pedir desculpas e jurar amor eterno (sei).

Se não quiser enfrentar esse perigo, saia de carro. Tá bem, não saia de carro. Pode passar pelo mesmo trajeto de sempre, mas algo vai acontecer. Uma pane elétrica, um prego pra furar o pneu ou, principalmente, uma blitz onde jamais houve alguma. E você será parado. E eles vão encontrar algo de errado com seu carro. E um movimento seu vai fazer a rosquinha do policial cair no chão. Se for um pão…, o lado da manteiga é que vai para o chão.

Prefira evitar a casa da namorada, também. Sabe aquilo que “nunca aconteceu antes”? Nunca se sabe… E, depois de tudo isso, é melhor evitar que aconteça pela primeira vez. Se você for homem, sua namorada estará com TPM. Das bravas. Aí você me diz, “mas só uma visitinha não faz mal, né?” Desculpem-me a chatice, mas devo alertá-los, é meu dever de jornalista: faz mal sim. Nesses dias, sorvete e hambúrguer com catchup são armas apontadas para sua camisa nova. Vai sujar muito, e não vai sair tão fácil.

Aliás, a cozinha é um lugar que, nesses dias, deveria ser isolado com aquelas fitas pretas e amarelas. A gravidade fica mais forte e tudo quer cair, desde o leite e os copos até a pesada vasilha de arroz doce – ou de outra coisa que suje muito e que não desgrude tão cedo do chão. E claro, a manteiga vai cair virada para o chão.

Se estiver no trabalho, não saia para beber café ou água. O resultado pode ser aquele colega chato gritando pra todos que você mijou nas calças – já ouço as risadas ao fundo… Ah, e não é bom segurar muito para ir ao banheiro: vá logo, antes que aconteça qualquer coisa imprevisível – e torça muito para que, lá estando, tudo ocorra normalmente.

Mas suponhamos que seja um dia de folga. “Tudo bem, então!”, você pensa. Mas eu discordo. Primeiramente, mantenha-se longe dos colegas de trabalho. Pelada no fim-de-semana? Jamais! Além de perder todos os gols feitos e errar os passes decisivos, você pode escorregar e involuntariamente atingir seu chefe, que vai adiar sua promoção enquanto ele não se recuperar – e, acredite, vai demorar. Bom, você pode pensar, “que nada, eu sou craque, o ‘Joga 10’, ‘Ronaldo’!” Lembre-se que perder um pênalti pode ser pior do que qualquer outra gafe futebolística, considerando-se o nível de zoação que virá de todos os lados.

Só como exemplo: o atacante do Grêmio, Jonas, já foi considerado o pior atacante do mundo, após perder três gols feitos na primeira fase da Libertadores contra o glorioso (sei) Boyacá Chicó, da Colômbia. O mesmo atacante perdeu um pênalti contra o Fluminense… Tudo bem que o Fluminense, com todo o azar do mundo, viu o árbitro mandar a cobrança voltar. Pra piorar a situação, Tcheco, cobrador oficial, marcou. Na chegada do Fluminense ao Rio, alguns torcedores manifestaram dando socos e chutes no ônibus. Tomara que ninguém tenha se machucado. Os torcedores não lembraram das quinas do ônibus…

Se serve como consolo, vale lembrar que os cariocas já tiveram maré de azar pior, até que surgiu uma bagunça, chamada Copa João Havelange, em que o tricolor das laranjeiras ressurgiu das Cinzas (com C maiúsculo de série C). Enquanto isso…

A maré de azar fez o próprio Jonas fechar a goleada – como uma cereja sobre uma torta. Ele está na artilharia do Brasileirão, ao lado de Adriano, do Flamengo. Só pra valorizar a cereja: Jonas marcou um belíssimo gol, driblando o goleiro e afundando para as redes com a tranquilidade que não teve contra o Boyacá Chicó. O atacante mostrou que, com trabalho, dias melhores podem vir. E que o azar fique só para a Argentina de Maradona e para o pão com manteiga.

* atualização: inseri a imagem do Pablo Carranza!

por Pablo Carranza

por Pablo Carranza

Read Full Post »

O segundo Grande Prêmio de Fórmula 1 de 2009, na Malásia, foi encerrado antes do tempo por causa da forte chuva. Alguns sites especializados, como o Blog do Capelli(*) já resgataram histórias de outras corridas que, como essa, terminaram com menos de 75% das voltas completadas e que, por isso, só metade dos pontos foram computados para o campeonato.

Mas no dia dessa prova eu tive sorte e encontrei algumas raridades, antes mesmo de saber de tais informações. Como demorei para iniciar os posts no Pangés, então não farei apenas o levantamento de informações, pois já o fizeram. Vamos um pouco além…

Chuva lembra um certo piloto

A última corrida com pontos pela metade até então era o GP de Adelaide, na Austrália, em 1991. Após 14 voltas cheias de rodadas e batidas nos muros, Ayrton Senna venceu a corrida. Ele mesmo protestava pelo encerramento da prova já que, com tanta chuva, não havia aderência no circuito.

Ligada a essa história, uma outra, ainda mais interessante: antes de Adelaide, a outra corrida que terminou antes do tempo foi o GP de Mônaco, em 1984. Alain Prost foi o vencedor, mas perderia o campeonato por meio ponto para o companheiro de equipe Niki Lauda, que não pontuou nesta corrida.

Há especulações de que a prova foi encerrada antes do tempo não só por causa da chuva que caía, mas por causa de um certo piloto que ameaçava ultrapassar Prost e vencer: um tal de Ayrton Senna, estreante naquela temporada.

Testes proféticos

Em seu ano de estreia, 1984, Ayrton Senna marcou 13 pontos pilotando uma Toleman. A melhor corrida foi a sexta da temporada, em Mônaco. Antes dela, havia chegado duas vezes em sexto, abandonou em duas e não se qualificou para outra. Nas outras 10 provas da temporada, chegou duas vezes em terceiro e uma vez em sétimo. Houve muitos abandonos, pois o carro não tinha confiabilidade.

Antes de garantir sua vaga na Toleman, Ayrton fez quatro testes. No ano de 1983, ele estava na F3 Britânica. A vitória do campeonato, em que ganhou seis das nove provas, serviu para despertar de vez o interesse de grandes equipes da Fórmula 1.

Profecia 1: a primeira equipe seria a última

Ainda em 19 de julho de 1983, Senna fez seu primeiro teste. Quem o convidou foi Frank Williams, dono da equipe que carrega seu nome e na qual Ayrton correria pela última vez, em 1994. O jovem de 23 anos, que seria o mais novo no grid do ano seguinte, já começou quebrando o recorde para carros de motor aspirado na pista de Donnington Park.

“Hoje vou demorar uma eternidade para fazer essa reta” - Senna de volta a Donnington na semana seguinte para uma corrida de F3

“Hoje vou demorar uma eternidade para fazer essa reta” - Senna de volta a Donnington na semana seguinte para uma corrida de F3

Profecia 2: vencer os rivais na McLaren

No final de 1983, os pilotos que ficassem nas três primeiras posições na Marlboro F3 British ganhariam uma oportunidade de testar na McLaren. Além de – é claro – Senna, treinaram no mesmo dia Stefan Bellof e Martin Brundle. Os dois últimos dividiram o carro nº 8 de Lauda; Ayrton pilotou o nº 7, de Watson, carro que era mais rápido cerca de três décimos. Para não deixar dúvidas, o brasileiro fez sua melhor volta sete décimos à frente do segundo melhor, Bellof.

Ah, sim: os testes com a McLaren foram feitos no autódromo de Silverstone que, naquele ano, começava a ser conhecido como Silvastone, graças às proezas de Ayrton Senna da Silva naquela pista já na F3. Seu tempo nos testes também foi melhor do que os obtidos pelos pilotos titulares da equipe inglesa naquela prova em 1983.

"Ele é fácil de pilotar, com a direção mais leve que do meu Ralt de Fórmula 3. Tenho certeza que se tivesse feito mais voltas, baixaria meu tempo para 1min12s (2s abaixo de seu melhor tempo), até porque estava um pouco desconfortável, com a perna direita apertada, o que me tirou a sensibilidade no pé do acelerador" - Senna se desculpando após ótimo teste na McLaren

“Ele é fácil de pilotar, com a direção mais leve que do meu Ralt de Fórmula 3. Tenho certeza que se tivesse feito mais voltas, baixaria meu tempo para 1min12s (2s abaixo de seu melhor tempo), até porque estava um pouco desconfortável, com a perna direita apertada, o que me tirou a sensibilidade no pé do acelerador” - Senna se desculpando após ótimo teste na McLaren

Profecia 3: mais vale tecnologia do que braço

Naquele dia, Senna ainda destacou: “eu apenas começo a perceber como é que se ganha uma corrida de Fórmula 1, provavelmente: está mais no carro do que no próprio piloto, desde que o carro seja rápido e fácil de guiar você se torna um, dois segundos mais rápido, ou mais lento”. Convenhamos que as coisas não mudaram muito desde então.

* Atualização: na profecia 6, vocês verão como Senna, num carro ruim, se aproveitou das circunstâncias, que equipararam os equipamentos, para se sobressair!

Profecia 4: equipe para estrear com pódio

Depois de duas equipes de ponta, Senna testou o carro turbo da Toleman. A equipe, que sempre correu com pneus Pirelli, ainda não tinha um novo contrato com a fornecedora. Por isso, na época dos testes não sabiam se conseguiriam alinhar seus carros em 1984. Mas o que importa é que Ayrton fez sua melhor volta 1 segundo mais rápido do que o piloto oficial da equipe na qualificação de 83, com o mesmo carro.

“Sem dúvida não é um carro para ganhar corridas, ele não vai ter condições de competir contra uma Ferrari, uma Renault, uma Brabham, mas é um carro para subir no pódio, quem sabe já na próxima temporada” - Senna, após testar com a Toleman em Silvastone

“Sem dúvida não é um carro para ganhar corridas, ele não vai ter condições de competir contra uma Ferrari, uma Renault, uma Brabham, mas é um carro para subir no pódio, quem sabe já na próxima temporada” - Senna, após testar com a Toleman em Silvastone

Profecia 5: criando rivalidade

Depois de arrasar na F3 e também nos três testes na F1, já se cogitava a possibilidade de Senna estrear ao lado do campeão de 1983, Nelson Piquet, na Brabham. Mas o novato contrapôs a possibilidade quando questionado pelo repórter Reginaldo Leme, ainda no dia do primeiro teste, pela Williams, dizendo que não estrearia pela Brabham, “a não ser que o sr. Bernie Ecclestone (então dono da Brabham) resolver melhorar a oferta dele e chegar aonde eu acho razoável”.

Acho que muitos conhecem uma das mais belas disputas nas pistas de Fórmula 1: Nelson Piquet na Williams – que seria campeã de construtores – fazendo malabarismos para ultrapassar Senna, com sua Lotus, no GP da Hungria de 1986 (vídeo aqui, 1 minuto: http://www.youtube.com/watch?v=AeemlgJkjUs). Mais tarde, no documentário “A Era dos Campeões”, Piquet revelou o que aconteceu naquela ultrapassagem, demonstrando toda a rivalidade que existia entre os dois pilotos: “E aí eu freei, 30, 40 metros além do que eu precisava. Fiquei com o carro escorregando nas 4 rodas… Mandei um gesto bacana, mandei ele tomar no cu”. (confira aqui, a partir de 2:06 http://www.youtube.com/watch?v=-MUzG-2qq98)

A rivalidade, aqui demonstrada, começara em novembro de 1983, no quarto teste de Ayrton em um Fórmula 1. Ecclestone, animado com o teste, apostou com Piquet que Senna seria mais rápido do que ele. O então bicampeão (ainda conquistaria o tri em 1987) começou a se sentir incomodado, mas foi bem mais rápido do que os outros que testaram.

“Claro que eu seria mais rápido. Eu tinha acabado de ser campeão mundial naquela Brabham. Se um cara que estava conhecendo o carro naquele dia conseguisse me superar, era hora de fazer a mala e ir embora para casa”, disse o sincero Piquet

“Claro que eu seria mais rápido. Eu tinha acabado de ser campeão mundial naquela Brabham. Se um cara que estava conhecendo o carro naquele dia conseguisse me superar, era hora de fazer a mala e ir embora para casa” - disse o sincero Piquet

Profecia 6: os pneus da profecia 4

A Toleman ainda sofria de falta de dinheiro para fazer bons contratos com fornecedores de pneus. Para a corrida de Mônaco de 1984, a sexta da temporada, compraram pneus Michelin da “safra” de 1983 – rendiam bem em pista molhada, mas nem tanto no seco.

A McLaren fez a pole com Alain Prost, mas se desesperou ao ver a chuva. A equipe, que ainda contrataria Senna, usava Michelin, e não gostou que a empresa tivesse lhe enviado apenas pneus de 1984, que eram piores na chuva.

Essa confusão de pneus e chuva, justamente em Mônaco, veio a calhar para Ayrton. A pista fechada praticamente igualou os carros quanto à potência de motores. A diferença estava no braço – e nos pneus antigos.

Profecia 7: o rei de Mônaco

Senna largou em 13º. Atrás dele partiram carros da Brabham, Williams e seu companheiro, Johnny Cecotto, em 18º. Após a largada, as duas Renault (5º e 6º) bateram. Senna completou a primeira volta em 9º. A McLaren de Niki Lauda, que largara em 8º, foi ultrapassada por Senna ainda antes de a chuva aumentar. Depois disso, domínio do brasileiro que se aproximava do líder (da prova e do campeonato) Alain Prost, na outra McLaren, de modo assustadoramente veloz.

A prova foi encerrada precocemente devido ao perigo de acidentes por conta da forte chuva. Assim como hoje, a regra daquela época definia que, nesse caso, as posições válidas seriam as computadas uma volta antes de encerrada a prova. Com a euforia, Senna nem se lembrou disso e chegou a comemorar a vitória quando cruzou as bandeiras quadriculada e vermelha (sinalizando o fim prematuro) à frente de Prost, que parou antes de cruzá-las.

Senna cruzou a bandeira na frente de Prost, mas não venceu. Com uma vitória na Lotus e cinco na McLaren, Ayrton se tornou o maior vencedor de Mônaco, liderança absoluta mantida até hoje

Senna cruzou a bandeira na frente de Prost, mas não venceu. Com uma vitória na Lotus e cinco na McLaren, Ayrton se tornou o maior vencedor de Mônaco, liderança absoluta mantida até hoje

¬¬¬¬¬¬¬¬¬¬

* Quer saber quais foram as outras corridas com os pontos pela metade? Leia:

http://www.blogdocapelli.com.br/2009/04/gp-da-malasia-e-o-5-da-historia-com-pontos-pela-metade/

* Quer ver mais fotos e detalhes que serviram de fonte para este post? Leia:

http://f1nostalgia.blogspot.com/2008/09/o-que-voc-esta-fazendo-ai-ayrton-senna.html (Senna na Williams)

http://f1nostalgia.blogspot.com/2008/09/o-que-voc-esta-fazendo-ai-ayrton-senna_24.html (Senna na McLaren)

http://f1nostalgia.blogspot.com/2008/10/o-que-voc-esta-fazendo-ai-ayrton-senna.html (Senna na Toleman)

http://f1nostalgia.blogspot.com/2008/10/o-que-voc-esta-fazendo-ai-ayrton-senna_10.html (Senna na Brabham)

* Quer ver o documentário “A Era dos Campeões” completo? Acesse (10 partes):

http://www.youtube.com/view_play_list?p=003EDE106505C596

* Quer ver os testes de Ayrton Senna na Williams, McLaren e Toleman? Assista:

* Quer ver a corrida de Mônaco, 1984, completa? Acesse (7 partes + entrevista com Senna após a prova):

http://www.youtube.com/view_play_list?p=E9A3E815B05E5BE0

Read Full Post »

A decisão saiu após julgamento na Corte de Apelações da FIA, que aconteceu ontem. Depois de os comissários terem liberado o uso dos polêmicos difusores desenvolvidos por Brawn GP, Toyota e Williams antes das etapas da Austrália e Malásia, desta vez o departamento técnico da FIA e cinco juízes da corte confirmaram a legalidade.

Apesar disso, o advogado da Renault, Andrew Ford, argumentou que sua equipe tinha desenvolvido peça semelhante, mas abandonaram o projeto porque a FIA disse que era ilegal. Tom Byrne, projetista da Ferrari, explica melhor: “se você olhar o carro da Brawn por baixo, vai ver a suspensão através dos buracos”. Se for verdade e isso também acontecer nos Toyota e Williams, então os carros das três equipes estariam contra o artigo 3.12.5 do regulamento técnico da F1 para 2009, segundo o qual buracos no fundo do carro não podem possibilitar a visão de partes superiores.

Na verdade, essa não é uma novidade no regulamento. Byrne diz que essa é uma regra estabelecida há pelo menos 15 anos. Do outro lado, as três equipes contra-argumentam que esses buracos não passam de espaços entre o topo do difusor e o assoalho do carro. Isso não me convenceu… Será que a FIA ouviu algo a mais para dar o veredicto?

Controvérsias a parte, não acredito que alguma das outras sete equipes voltarão a apelar judicialmente. Então, começa a corrida contra o tempo para desenvolver novos aparatos para os carros. Finalmente, veremos se a vantagem, principalmente de Brawn e Toyota, se deve apenas ao difusor de dois andares. De uma forma ou de outra, acho que vai aumentar o equilíbrio na categoria. Tudo bem, foi bom ver a Brawn sobrando na pista. Pena que o Barrichello não se aproveitou tanto nessas duas corridas. Agora, terá mais concorrência.

Read Full Post »

Older Posts »

%d blogueiros gostam disto: